Chega de discutir de onde vem o melhor Cabernet ou o melhor Malbec. Vamos falar de fatos interessantes sobre os vinhos. Se você gosta de ter o que falar para surpreender num jantar, vamos te dar 10 fatos sobre vinhos que você precisa saber, guardar e espalhar por aí.

1) São necessárias 300 uvas para produzir uma garrafa de vinho 

Se você procurar pela internet, vai achar várias contas cabulosas para chegar a diferentes números para responder a simples pergunta: quantas uvas são espremidas para fazer 750 mL de vinho (uma garrafa)? Tem gente que fala que são em torno de 140 frutinhas, mas também há quem acredite nas pouco mais de mil! A verdade é que depende de como foi feita a fermentação - as uvas estavam grandes e cheinhas, gerando mais líquido e mais leveza ou acidez? Ou eram uvas apassitadas, quase passas, cheias de açúcar natural, mas produzindo menos vinho (um Tokaji por exemplo, leva quilos e mais quilos de uvas). Mas vamos falar da média para um vinho tranquilo, comum, de produção mais tradicional: já é convenção dize que um hectare de videiras tem mais ou menos 1.200.00 bagos de uvas e produz cerca de 33 barris de vinho - dividindo esse número até chegar a uma garrafa, temos o singelo valor de 300 uvinhas por garrafa!

2) Uvas tintas também produzem vinhos brancos e rosés

Tanto é que existem raros Malbecs e Pinot Noirs brancos. Para que isso aconteça, basta fermentar a uva sem deixar as cascas em contato com o mosto, pois são elas que dão cor ao vinho. No caso dos rosés, é só manter o contato por pouco tempo, para que a coloração não chegue a ser tinta.

3) Vinho doce (de sobremesa) não tem adição de açúcar

Um vinho de sobremesa pode ser doce por vários fatores: pela maturação em excesso da uva, pela fortificação, pelas uvas serem atingidas pelo fungo “botrytis cinerea” ou ainda por se tratar de um icewine. Mas é tudo natural, nunca por adição de açúcar (os vinhos que levam açúcar são chamados de suaves, e são mais simples). Se ficou curioso, clique aqui para conhecer todos os vinhos de sobremesa do mundo.

4) Afinal, qual é a diferença entre vinho seco e suave?

Como dissemos, o vinho suave tem adição de açúcar. É um vinho de qualidade mais baixa, elaborado com uvas comuns de espécies americanas (de mesa, feitas para comer, e não para vinificar) - Concord, Herbermont, Niágara, Isabel, entre outras. Esses vinhos podem ser identificados no rótulo, e facilmente são encontrados em supermercados. Já os vinhos secos (também chamados de vinhos finos) são elaborados com uvas mais nobres (as de espécies "viti viniferas"), como Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay. Qualquer resíduo de açúcar nesses vinhos é produzido naturalmente pela uva durante a fermentação.

5) Vinho Verde… Não é verde!

Lá nas margens do Minho, em Portugal, está a região demarcada de Vinho Verde ou seja, a denominação de origem (DOC) que dá nome ao vinho. Portanto, ele pode ser branco, tinto e até rosé, menos verde.

6) E vinho do Porto não é produzido no Porto

É produzido mesmo no Douro! Passou a ser conhecido como Vinho do Porto porque era lá, na região do porto, que ficava armazenado antes de ser exportado (afinal, fica pertinho).

7) Nem todo espumante é Champagne

É muito comum ouvirmos algumas pessoas chamando todos os espumantes de CChampagne, mas não é bem assim... Apenas o espumante produzido na província histórica de Champagne, na França, recebe esse nome. Então, anote a regrinha: nem todo espumante é Champagne, mas todo Champagne é um espumante.

8) Os chineses são os maiores consumidores de vinho tinto do mundo

Ultrapassando a França e a Itália, os chineses se mostraram os maiores consumidores de vinho tinto do mundo. Em 2014, os chineses chegaram a consumir 1,86 bilhão de garrafas de vinho tinto, segundo pesquisas publicadas na revista Exame. Em cinco anos, a China apresentou um aumento de 136% no consumo da bebida.

9) E a Itália, a maior produtora do mundo

Pensou que fosse a França? Muita gente pensa que sim, mas a verdade é que há aproximadamente cinco anos, a Itália tem assumido a primeira posição (na verdade, muito, mas muito à frente de qualquer outro país). O fato de os Estados Unidos (maiores consumidores desde 2002) preferirem os vinhos italianos aos franceses e as condições climáticas da França, também contribuíram para que a Itália dominasse o ranking.

10) E o Douro, é a primeira Denominação de Origem do mundo

Produzindo vinho há mais de dois mil anos, o Douro conquistou o título de primeira DOC do mundo, e a região, inclusive, foi classificada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Ah, e foi registrada justamente pelos Vinhos do Porto, que já explicamos acima.

Sempre que ficar sem assunto no jantar, lembre dessas dicas!

Fonte: Sonoma